Olá! Seja bem vindo ao nosso site. 

 19 de Julho de 2018

O Diretório Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou nesta quarta-feira (20), formalmente, o plano de assistência financeira à Argentina, no valor de US$ 50 bilhões e de três anos de duração, destinado a "reforçar a economia" e recuperar "a confiança dos mercados".

 

"A decisão do Diretório permite às autoridades realizar uma compra imediata de US$ 15 bilhões. A metade desse montante (US$ 7,5 bilhões) será destinada ao apoio orçamentário", indicou o Fundo, em comunicado.

 

Além disso, ressaltou que o programa macroeconômico proposto pelo governo do presidente Mauricio Macri "reduz as necessidades de financiamento, canaliza a dívida pública argentina por uma trajetória descendente firme e assegura o plano de redução da inflação mediante metas mais realistas e o fortalecimento da independência do Banco Central".

 

Os US$ 35 bilhões restantes estarão disponíveis ao longo da duração do acordo, subordinados a avaliações trimestrais da organização, embora as autoridades argentinas já tenham informado por enquanto que serão tratados "com caráter precautório".

 

O programa estabelece como metas fiscais um déficit primário de 2,7% do PIB neste ano e de 1,3% em 2019 e alcançar um equilíbrio primário em 2020, assim como uma paulatina queda da inflação a 17% para 2019 e 13% para 2020.

 

A instituição dirigida por Christine Lagarde ressaltou que o plano "inclui medidas para proteger os segmentos mais vulneráveis da sociedade mantendo a despesa social e, caso as condições sociais piorem, abrindo margem para aumentar a despesa na rede de proteção social argentina".

 

O presidente argentino Macri negociou um plano com o Fundo para atenuar a abrupta desvalorização da moeda do começo de maio e que inclui, além disso, que o Banco Central deixe flutuar livremente a taxa de câmbio e não seguirá intervindo para aplacar o avanço do dólar.

 

Aos US$ 50 bilhões do FMI, se somarão outros US$ 5,65 bilhões que a Argentina receberá do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), assim como do Banco Mundial e do CAF-Banco de Desenvolvimento da América Latina.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Com informações da Agência Brasil/Redação IOL

Últimas Notícias

TV IOL- Canal Livre

Divirta-se

MONTE O MAPA DO BRASIL

Colunistas

Destaques






 


Previsão do Tempo

Dicas das Estradas

Parceiros do IOL