Olá! Seja bem vindo ao nosso site. 

 17 de Fevereiro de 2018

O Ministério da Unificação da Coreia do Sul informou nesta sexta-feira (19) que pretende manter reuniões regulares de alto nível com o Norte, aproveitando a recente aproximação entre os dois países por causa dos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang.

 

O anúncio foi feito em entrevista coletiva, em que foram apresentadas as linhas gerais com as quais Seul pretende reconduzir as relações entre os dois países, que estão estagnadas, com a inclusão da retomada da ajuda humanitária ao Norte.

 

Os países vizinhos, que permanecem tecnicamente em guerra, fizeram, no último dia 9, seu primeiro encontro formal em mais de dois anos, para discutir a participação norte-coreana nos Jogos de Inverno, que acontecerão no condado sul-coreano de PyenongChang a partir do dia 9 de fevereiro.

 

As duas Coreias mantiveram, desde então, várias rodadas de reuniões para acertar os detalhes da participação da Coreia do Norte nos Jogos. O Sul pretende estender esses encontros a outras áreas e celebrar de "forma regular" e de "alto nível", de acordo com um porta-voz do Ministério da Unificação.

 

"Seul buscará conversas setoriais com Pyongyang, assim como estreitar os laços e trabalhar para a resolução do problema nuclear norte-coreano", disse o porta-voz.

 

Durante a última reunião realizada quarta-feira, as duas Coreias concordaram em desfilar sob a mesma bandeira na cerimônia de abertura de PyeongChang, bem como fazer uma seleção conjunta de hóquei feminino sobre o gelo, entre outros gestos de alto valor simbólico voltados para a reconciliação.

 

No entanto, as duas partes ainda não conversaram sobre o pedido feito pelo Sul para organizar uma reunião, em meados de fevereiro, das famílias separadas pela guerra entre os dois países. Se a proposta for aceita pelo Norte, o encontro acontecerá na mesma data de PyeongChang.

 

A Coreia do Norte, que ainda não respondeu a essa solicitação, exige em troca que Seul promova a repatriação das 12 garçonetes norte-coreanas que desertaram em 2016 e que, segundo a imprensa do regime liderado por Kim Jong-un, foram sequestradas pelo país vizinho.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Com informações da Agência Brasil/Redação IOL

Últimas Notícias

 

TV IOL - Vídeos

O ES tem muitos encantos e amores - Confira!

Colunistas


Destaques

 


 





 


    

Previsão do Tempo

Dicas das Estradas

Parceiros do IOL