Olá! Seja bem vindo ao nosso site. 

 17 de Fevereiro de 2018

O Mercosul e o Reino Unido negociam um acordo de livre comércio que pode ser implementado após a saída do país da União Europeia, disse ontem (22) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (foto). O ministro deu as declarações na residência do embaixador brasileiro em Londres após reunião com o ministro de Finanças do Reino Unido, Philip Hammond.

 

“[O acordo] poderá ser efetivado depois do Brexit [processo de saída do Reino Unido da União Europeia], mas as negociações estão andamento. A negociação formalmente será Mercosul com Reino Unido. É o interesse maior ainda”, afirmou Meirelles, em entrevista coletiva cujo áudio foi divulgado pelo Ministério da Fazenda.

 

As negociações de um tratado de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia (UE) se arrastam há vários anos. No fim do ano passado, as duas partes avançaram nas discussões, mas a assinatura do acordo foi adiada para este ano.

 

Por causa do Brexit, o Mercosul terá de negociar um acordo comercial separado com o Reino Unido. Caso o tratado de livre comércio com a UE saia do papel neste ano, o Reino Unido deixará de se beneficiar com o acordo assim que sair do bloco econômico.

 

Meirelles fez uma escala em Londres para participar de reuniões de negócios com investidores e o ministro das Finanças britânico antes de seguir para o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Neste ano, o presidente Michel Temer também estará no fórum, que reúne políticos, empresários, investidores e banqueiros todos os anos em janeiro.

 

Rebaixamento

 

Sobre o rebaixamento da nota brasileira pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P), o ministro da Fazenda reafirmou que o governo continuará trabalhando para que a economia cresça 3% e crie 2,5 milhões de empregos formais este ano. Ele, no entanto, disse que a aprovação da reforma da Previdência, cuja votação está prevista para 19 de fevereiro, é essencial para que as estimativas sejam alcançadas.

 

“Acreditamos que será aprovada [a reforma da Previdência]. É uma necessidade. O que se discute não é se haverá uma reforma da Previdência, mas quando haverá. Idealmente, agora em fevereiro. Se não for agora, depois. Que será feita, não tem dúvida, porque a situação atual de evolução das despesas e do déficit da Previdência não é sustentável no médio e no longo prazos”, disse Meirelles. Segundo o ministro, as chances de aprovação da reforma em fevereiro são superiores a 50%.

 

Caixa

 

O ministro da Fazenda considerou um avanço muito grande a aprovação do novo estatuto da Caixa Econômica Federal, na última sexta-feira (19). O estatuto restringe as indicações políticas de vice-presidentes e de diretores da instituição financeira, cujos nomes passarão a ser avaliados pelo Conselho de Administração do banco. Quanto à necessidade de injetar R$ 15 bilhões para capitalizar a Caixa, Meirelles disse que o governo está procurando alternativas para evitar usar recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), como a possibilidade de que o banco não distribua dividendos ao Tesouro Nacional este ano para ampliar o capital.

 

“O que eu tenho dito é que existe a possibilidade de que a capitalização não demande o uso dos fundos do FGTS. Porque a Caixa tem fontes outras de capitalização, seja na área de retenção de dividendos, ou cessão de carteiras [venda de operações de crédito para outros bancos], tem uma série de coisas em andamento”, concluiu o ministro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Com informações da Agência Brasil/Redação IOL

Últimas Notícias

 

TV IOL - Vídeos

O ES tem muitos encantos e amores - Confira!

Colunistas


Destaques

 


 





 


    

Previsão do Tempo

Dicas das Estradas

Parceiros do IOL