Olá! Seja bem vindo ao nosso site. 

 22 de Fevereiro de 2024

Aracruz/Escola: O atirador de 16 anos que invadiu duas escolas em Aracruz, executando ataques a tiros que causaram a morte de quatro pessoas e deixaram outras 12 feridas na sexta-feira, dia 25 de novembro, foi julgado pela Vara da Infância e Juventude do município e teve a sentença divulgada nesta quarta-feira (07).

 

A decisão informou que o menor cumprirá medida socioeducativa com o prazo máximo de 3 anos, como prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Segundo o juiz, apesar do adolescente não cumprir pena, já que é considerado inimputável pela lei brasileira, ele passará por avaliação semestral, como uma forma de acompanhá-lo de perto.

 

Além disso, o magistrado determinou que sejam feitas avaliações psiquiátricas para avaliar a periculosidade do atirador. Se ao final dos três anos de internação ficar comprovado que ele, por questões mentais, representa risco à sociedade, poderá ser internado em uma espécie de manicômio, como aconteceu no caso “Champinha”, em São Paulo.

 

Para relembrar, Champinha violentou e assassinou a estudante Liana Friedenbach, além de ter sido o mentor do homicídio do namorado dela. Depois do caso, que teve requintes de crueldade, o menor foi enviado à antiga Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem). Acontece que, passados três anos dos crimes bárbaros, ele não retornou às ruas, já que a Justiça entendeu cabível uma internação por motivos psiquiátricos.

 

A partir deste momento, o atirador de Coqueiral de Aracruz é de responsabilidade do juiz de execuções penais em Vitória, da 3ª Vara da Infância e Juventude da Capital.

 

Entenda a tragédia ocorrida após ataques em escolas

 

Duas escolas de Aracruz foram alvo de ataques na manhã de 25 de novembro. Duas professoras e uma adolescente morreram no local. Outra professora não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital no sábado (26).

 

Os crimes aconteceram pela manhã, primeiro na Escola da Rede Estadual Primo Bitti, e em seguida na escola particular, no Centro Educacional Praia de Coqueiral (CEPC).

 

Os ataques foram realizados pelo adolescente armado com uma pistola .40, pertence a um tenente, pai do jovem, e um revólver 38, arma particular do policial militar.

 

O adolescente, que confessou o crime, não terá o nome divulgado por ser menor de idade. 

 

No momento do ataque, ele usava roupa camuflada, uma máscara de caveira e um bracelete com o símbolo nazista. O pai dele está afastado da função para ser investigado.

 

Foto Divulgação/Montagem FV

 

 

 

 

 

Com informações Folha Vitória

 

Últimas Notícias

 

Vídeo - Canal Livre

Clima / Tempo

Colunistas

Dicas das Estradas

Destaques

 

Parceiros do PDN