Olá! Seja bem vindo ao nosso site. 

 21 de Agosto de 2018

Brasília: Com o início do julgamento virtual da 2ª turma do Supremo Tribunal Federal (STF) previsto para iniciar na madrugada deste sábado, 05 de maio, três ministros podem decidir pela aceitação do recurso do ex-presidente Lula e libertá-lo da prisão.

 

Compõem a 2a turma do STF os ministros Celso de Melo, Dias Toffoli, Edson Fachin, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. Eles tem até a próxima quinta-feira, 10 de maio, para registrar os votos no sistema eletrônico da corte. Quando o último deles votar, o resultado será conhecido.

 

O ministro Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, será o primeiro a votar e a tendência é que ele vote contra o recurso apresentado pelos advogados de Lula.

 

CAPIXABAS OPINAM

 

“Ele não será solto nem agora, nem após as eleições. Eu não estou avaliando o crime do Lula mas ele tem que cumprir parte da pena a qual ele foi condenado”, comentou o deputado Paulo Foletto (PSB).

 

“[E o ex-presidente] tem mais quatro ou cinco processos contra ele em andamento e ele terá que responder. Então vem mais pena para o ex-presidente [cumprir] por aí”, complementou o socialista.

 

“Avesso do avesso do avesso”

 

Já o presidente em exercício da Comissão de Agricultura da Câmara Federal, deputado Evair Melo (PP), afirmou que se a 2aturma do STF decidir pela soltura de Lula, “o Brasil tem que comprar uma passagem só de ida para eles [ministros] irem para um lugar bem longe”.

 

“Ao tratar isso o Supremo está brincando com fogo. É o avesso do avesso do avesso”, comentou o neo-progressista, que até março era filiado ao Partido Verde.

 

“O Supremo tem que tomar um banho de povo para decidir mais rápido e parar com esta chuva de interpretações”, completou o neo-ruralista.

 

“Risco à instituição”

 

O líder da maioria dos deputados que apoiam o governo Temer, Lelo Coimbra (PMDB) também foi outro que se recusa a acreditar que o STF pode soltar o ex-presidente Lula até o próximo dia 10.

 

“Os ministros estão colocando em risco à instituição ao tentarem votar isso de maneira casuística para favorecer o ex-presidente Lula”, falou o peemedebista.

 

“Não tem coragem”

 

Outro contrário a soltura do ex-presidente Lula é o deputado Jorge Silva (SD). “Não acredito que os ministros tenham coragem num momento em que o Brasil está atento e vigilante, de votarem [favorável a] isso”, emendou.

 

“Cabeça de juiz é complicado”

 

O deputado Carlos Manato (PSL) é outro completamente contrário a soltura de Lula e afirma que ficará muito decepcionado se, pelo menos, três dos cinco ministros que compõem a 2a turma do STF votarem a favor do ex-presidente.

 

“Tudo pode acontecer! A decisão do TRF-4 já foi decidida em todas as instâncias. Não tem mais jeito. Eu sou contra. Se eles soltarem o cara [Lula], para mim vai ser uma decepção muito grande. Mas cabeça de juiz é complicado”, disse o parlamentar que no ES coordena a campanha do presidenciável e líder das pesquisas, Jair Bolsonaro.

 

Cético

 

Contra a maré dos que são contrários a soltura do ex-presidente, o deputado Hélder Salomão (PT) é o único que espera que a sentença deste novo julgamento na Suprema Corte seja favorável a Lula. Mas, intimamente, o petista é cético quanto a decisão que poderá soltar o ex-presidente. “O STF está rachado, dividido sobre a matéria. Difícil fazer qualquer previsão”, desconversou.

 

Sem retorno

 

Os deputados Givaldo Vieira (PCdoB), Norma Ayub (DEM) e Sérgio Vidigal (PDT) foram procurados mas não retornaram.

 

Ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.Foto/Reprodução  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Com informações da Agência Congresso/Redação IOL

Últimas Notícias

TV IOL- Canal Livre

Divirta-se

MONTE O MAPA DO BRASIL

Colunistas

Destaques






Previsão do Tempo

Dicas das Estradas

Parceiros do IOL